Existe um futuro para as estações de serviço?

O setor de varejo de combustíveis está passando atualmente por um período de ruptura histórica. Essa ruptura será superada por meio da adoção de novos modelos de negócios, estratégias de vendas e ofertas de produtos.

Meu objetivo aqui é destacar alguns dos desafios que o setor de varejo de combustíveis enfrentará nos próximos anos. Uma vez que esses desafios surgem de concorrentes de fora da indústria, é responsabilidade dos varejistas de combustível se unirem e traçarem estratégias coletivamente. Se a proteção da participação de mercado é uma prioridade, então a empresa cooperativa é necessária.

Os varejistas de combustível não estão mais simplesmente competindo uns com os outros. Três das forças disruptivas mais proeminentes em jogo são o surgimento de combustíveis alternativos, novos meios de mobilidade e mudanças nas expectativas dos consumidores com relação à conveniência e ao varejo. Vou tocar em cada um.

Veículos elétricos

A adoção generalizada de veículos elétricos e movidos a hidrogênio continua em ritmo acelerado. Um relatório  da International Renewable Energy Association prevê que até 2025, 20% de todos os veículos nas estradas no Sudeste Asiático serão totalmente movidos a eletricidade (p.106).

Em 2018, foram vendidos 972.000 veículos totalmente elétricos em toda a região APAC, resultando em um aumento de 650% nas vendas totais entre 2015 e 2018 ( fonte ). Essa tendência exponencial é facilitada por dois fatores principais. Em primeiro lugar, o progresso tecnológico reduz o custo de produção e, em última análise, torna os VEs mais acessíveis a uma proporção maior de consumidores. Em segundo lugar, os regulamentos de emissões cada vez mais prevalentes reduzem o custo relativo dos VEs quando comparados aos veículos movidos a petróleo por meio de subsídios e sanções impostos pelo governo.

O futuro da mobilidade

A crescente popularidade de novos métodos de mobilidade digital, como Uber e Grab, é impulsionada principalmente pelo número crescente de pessoas que vivem nas cidades. O gráfico a seguir mostra o aumento global da porcentagem total de pessoas que vivem em ambientes urbanos. Essa tendência global reflete o crescimento da população urbana da Ásia.

Consequentemente, projeta-se que a propriedade de automóveis na Ásia caia drasticamente. 

Os moradores urbanos continuarão a mudar suas preferências de veículos pessoais para serviços de carona.

Isso terá implicações óbvias para os varejistas de combustível, particularmente em torno do varejo de conveniência, uma vez que menos proprietários de automóveis resultarão em menos movimento nas lojas.

Também no horizonte está uma segunda ruptura no campo da mobilidade digital: veículos autônomos.

O investimento neste domínio é vasto, com muitos fabricantes de automóveis tradicionais, bem como  gigantes digitais como Google e Baido entrando em ação . O lançamento generalizado de AVs ainda está para acontecer. No entanto, quando isso acontecer, os efeitos sobre a indústria de varejo de combustível serão dramáticos.

A relação entre AVs e serviços de mobilidade compartilhada será simbiótica. Carros sem motorista reduzirão o custo por viagem para os consumidores, incentivando, assim, um uso ainda maior de serviços como o Uber. Além disso, os AVs serão sem dúvida totalmente elétricos e provavelmente serão carregados em lotes dedicados fora dos centros urbanos. Mesmo que cobrem nas estações existentes, eles não fornecerão nenhuma receita para o varejo de conveniência do atual modelo de negócios do pátio.

Conveniência

Finalmente, mudar as expectativas do consumidor no que diz respeito a serviço e conveniência exigirá que os varejistas de combustível se adaptem.

Os consumidores, mais do que nunca, exigem opções de alimentos frescos e saudáveis ​​e layouts de loja atraentes.

Mais significativamente, eles exigem uma experiência de transação perfeita. Em muitos casos, isso significa que os consumidores não estão preparados para deixar suas casas para fazer muitas de suas compras comuns. Os varejistas de combustível prudentes considerarão como essa tendência pode afetar seus negócios futuros.

Assista ao vídeo e conheça o Aplicativo Check List Brasil Postos

 


Estudo do BCG

Para ajudar as empresas a entender como será o futuro e o que podem fazer para se adaptar a ele, o BCG conduziu um estudo aprofundado da indústria de varejo de combustível, detalhando quatro ambientes de mercado muito diferentes que provavelmente surgirão em todo o mundo, cada um definido por mudanças na mobilidade e estilos de vida do consumidor.

Resolvi trazer esse estudo para que os varejistas de combustível possam usar esses cenários de ambiente de mercado para analisar como seus negócios se sairão nos próximos anos sob diferentes condições e se posicionar para se adaptar a curto, médio e longo prazos.

Embora os ambientes sejam muito diferentes uns dos outros, uma porção significativa da rede de varejo de combustível em alguns mercados pode não ser lucrativa em 2035 – mesmo nos cenários em que os novos modelos de mobilidade são menos perturbadores e as vendas de combustíveis fósseis não caem precipitadamente.

Para evitar tal declínio, os varejistas de combustível precisam agir em três áreas.

Primeiro, eles precisam mudar de um modelo de negócios centrado no veículo para um centrado no cliente, a fim de capturar novas oportunidades de produtos e serviços. 

Esse esforço envolve reinventar a jornada geral do cliente e usar ferramentas digitais para estender o relacionamento com o cliente além de visitas ocasionais ao posto de serviço.

Em segundo lugar, os varejistas precisam transformar sua rede de estações de serviço e ativos. 

Esse processo inclui a mudança de formatos em alguns locais para atender à demanda do cliente, desinvestindo locais que não serão lucrativos e investindo em ativos que apoiem ​​a entrada em novos produtos e serviços.

Terceiro, eles precisam desenvolver novos recursos, incluindo experiência digital.

Para se adaptar com sucesso, os varejistas de combustível devem adotar uma nova mentalidade. Fazer mudanças ou ajustes modestos no negócio não será suficiente. Em vez disso, as empresas devem repensar fundamentalmente seus negócios e abraçar agressivamente a inovação e as novas tecnologias. Aqueles que corajosamente agarram a oportunidade se verão em uma posição vencedora. Aqueles que não o fizerem podem ser deixados para trás.

As Forças de Disrupção

O ritmo de interrupção no negócio de combustível é vertiginoso, à medida que os combustíveis alternativos ganham participação, The Reimagined Car , e os consumidores esperam maior conveniência, qualidade e personalização. (Veja o Anexo 1.) Em todas as três áreas, os avanços na tecnologia digital – incluindo big data e análises, IA, IoT, robótica e automação e realidade virtual e aumentada – estão conduzindo e possibilitando mudanças.

Duas forças estão estimulando o surgimento da eletricidade e de outros combustíveis alternativos. O primeiro é a implementação de regulamentações destinadas a limitar as emissões de gases de efeito estufa. Por exemplo, o Reino Unido determinou que, até 2040, todos os carros e vans novos vendidos no país devem ser capazes de atingir zero emissões de gases de efeito estufa, um requisito que aumentará a demanda por bateria elétrica, híbrido elétrico plug-in ou hidrogênio. veículos abastecidos.

A segunda força é a tecnologia. Como os custos da bateria continuam a diminuir, os OEMs automotivos estão investindo pesadamente em VEs. Em 2030, mais de um terço de todos os veículos novos vendidos serão total ou parcialmente elétricos .

Este desenvolvimento representa uma grande ameaça para os varejistas de combustível, particularmente aqueles que operam vários postos onde as compras de combustível representam uma parcela significativa dos lucros.

Outros combustíveis alternativos também começam a ganhar espaço em alguns mercados. Por exemplo, fabricantes de automóveis como a Toyota estão investindo no desenvolvimento de veículos com células de combustível a hidrogênio.

Enquanto isso, em outras partes do mundo, uma proporção considerável de veículos já funciona com combustíveis alternativos, como gás liquefeito de petróleo (GLP) e gás natural comprimido (GNV), e biocombustíveis estão aumentando sua participação nos reservatórios de gasolina e diesel. Os veículos que usam um combustível alternativo, como GLP ou GNV, ainda precisam ser reabastecidos em um local de varejo de combustível tradicional – ao contrário dos VEs, que os usuários podem cobrar em casa, no trabalho ou em estacionamentos e que, portanto, representam uma ameaça de substituição para os postos de serviço.

O SURGIMENTO DE MODELOS AVANÇADOS DE MOBILIDADE

Quase dois terços da população global viverá em cidades até 2030 , e novos modelos de negócios centrados no digital serão essenciais para garantir uma mobilidade urbana eficiente. Serviços de carona como Uber e Lyft já deram início à primeira fase da era da mobilidade compartilhada, reduzindo as aspirações de propriedade de automóveis das gerações mais jovens. Em 2030, o mercado de mobilidade compartilhada deve valer quase US $ 300 bilhões – e em 2035, o estudo projeta que as soluções de mobilidade compartilhada representarão quase 20% das milhas de passageiros nas estradas.

À medida que a mobilidade compartilhada continua ganhando terreno, outra mudança significativa a sustentará: o surgimento de veículos autônomos (AVs). Diversas empresas – incluindo OEMs tradicionais, como Ford e Toyota, e novos players digitais, como Google e Uber – estão investindo pesadamente no desenvolvimento de recursos de direção autônoma.

Como resultado, o estudo projeta que quase 25% dos carros novos vendidos em 2035 tenham a capacidade de dirigir sem nenhum envolvimento humano – com a maioria desses AVs provavelmente elétricos. À medida que os sistemas de veículos autônomos substituem os motoristas humanos, os serviços de mobilidade compartilhada se tornarão cada vez mais baratos para os clientes, incentivando um maior crescimento desses serviços.

As implicações para os varejistas de combustível são significativas porque o reabastecimento ou recarga de AVs de serviço de mobilidade compartilhada geralmente ocorre enquanto os veículos estão vazios de passageiros, em áreas de estacionamento AV dedicadas localizadas fora das áreas urbanas. O resultado será uma queda no tráfego de clientes nos postos de serviço e menores vendas de combustível e lojas de conveniência.

A EVOLUÇÃO DAS EXPECTATIVAS DO CONSUMIDOR

Os clientes de varejo – incluindo aqueles que compram em lojas de conveniência – tornaram-se mais exigentes em todas as áreas. Eles procuram opções de alimentos saudáveis, frescos e de alta qualidade; melhor valor; e formatos de loja mais atraentes. Eles também desejam produtos e serviços mais personalizados e uma experiência perfeita e conveniente por meio de opções como check-out self-service.

Nesse ambiente, os varejistas estão aproveitando uma grande quantidade de dados de seus clientes para obter um nível sem precedentes de percepção sobre suas preferências. E esses esforços se tornarão cada vez mais sofisticados. Enquanto as empresas no passado agrupavam os consumidores em segmentos, os varejistas no futuro serão capazes de direcionar cada indivíduo e personalizar produtos e serviços de acordo com as necessidades individuais.

+++ Chegou o Aplicativo de Checklists Inteligentes Brasil Postos

+++ Digitalize e Controle as Rotinas do Posto e da Conveniência – App Checklist Inteligentes Brasil Postos

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here