Define-se o etanol como o biocombustível proveniente do processo fermentativo de biomassa renovável, destinado ao uso em motores a combustão interna, e que possui como principal componente o etanol, o qual é especificado sob as formas de etanol anidro combustível e etanol hidratado combustível. Sua massa específica é a massa por unidade de volume de uma substância a uma determinada temperatura. Já o teor alcoólico é o percentual em base mássica (% m/m) ou volumétrica (% v/v) de álcool em etanol combustível.

O etanol hidratado é usado diretamente no abastecimento de veículos automotores. É o álcool adquirido pelo consumidor no posto de abastecimento, para os veículos a etanol ou para os veículos com motor flex. Se o consumidor possuir um veículo com motor flex ele pode utilizar exclusivamente o etanol hidratado.

O Brasil está entre os maiores produtores e exportadores de etanol combustível do mundo. Parte da consolidação do etanol no país foi a criação do Programa Nacional do Álcool, o Pró-Álcool, em 1975. A iniciativa visava diminuir a dependência nacional em relação ao petróleo, em contexto de Crise do Petróleo, quando os países árabes membros da Opep (Organização dos Países Exportadores do Petróleo) aumentaram rapidamente o preço do barril do combustível em resposta a Guerra do Yom Kippur, conflito que envolveu Egito e Síria contra Israel.

Ao contrário da gasolina, o etanol é uma substância pura, composta por um único tipo de molécula: C2H5OH. Na produção do etanol, no entanto, é necessário diferenciar o etanol anidro (ou álcool etílico anidro) do etanol hidratado (ou álcool etílico hidratado). A diferença aparece apenas no teor de água contida no etanol: enquanto o etanol anidro tem o teor de água em torno de 0,5%, em volume, o etanol hidratado, vendido nos postos de combustíveis, possui cerca de 5% de água, em volume (embora a especificação brasileira defina essas características em massa, o comentário feito expressa os dados em volume, para harmonização da informação com a prática internacional).

Na produção industrial do etanol, o tipo hidratado é o que sai diretamente das colunas de destilação. Para produzir o etanol anidro é necessário utilizar um processo adicional que retira a maior parte da água presente. Cerca de 80% da produção brasileira de etanol tem como destino o uso carburante, 5% é destinado ao uso alimentar, perfumaria e alcoolquímica e 15% para exportação.

Enfim, o etanol pode ser usado como combustível de veículos em três maneiras: etanol comum, etanol aditivado e etanol misturado à gasolina. O etanol comum é o álcool hidratado, mistura de álcool e água que precisa ter de 95,1% a 96% de graduação alcoólica.

O etanol aditivado é o álcool hidratado com aditivos que proporcionam melhor rendimento e um desgaste menor do motor. Já o etanol misturado à gasolina é álcool anidro, álcool com graduação alcoólica de no mínimo 99,6%, praticamente álcool puro. Em alguns casos, ocorre também a adulteração do álcool comum com substâncias que tornam o produto mais barato, o que é chamado de etanol adulterado.

Vender etanol adulterado é ilegal, e o uso dele no veículo pode causar diversos malefícios ao motor e ao meio ambiente. Os três tipos de etanol são a mesma substância (C2H6O), mudando apenas a graduação alcoólica, no caso do etanol anidro e hidratado, o uso de aditivos, diferença entre etanol hidratado comum e aditivado, ou a adição de substâncias ilegais, etanol adulterado.

Leia também:

 +++ Atenção aos Instrumentos de Análise

+++ Itens obrigatórios para análise de combustível

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here