Publicado no Blog assinado por Lauro Jardim do Jornal O Globo o jornalista afirma que Ricardo Magro, dono da Refit (Refinaria de Manguinhos), já tem tudo pronto para lançar um aplicativo que seria uma espécie de Uber da gasolina.

Chamado GOfit, funciona como um ‘delivery’ de combustível. Ou seja, o dono do carro, moto ou caminhão teria o veículo abastecido em casa ou onde quiser.

O projeto, contudo, ainda precisa de aprovação da ANP.

Pode isso Arnaldo ? Este tema é extremamente controverso e com certeza vai gerar muita indignação por parte dos revendedores de combustíveis que sofrem com todas as regulamentações necessárias para a operação de revenda de combustíveis.

Adequações ambientais para contenção de derrames, a recente obrigatoriedade de troca das bombas de abastecimento para a contenção de vapores, a obrigatoriedade de instalação dos Sistemas de Monitoramento que em breve deverão estar integrados a SEFAZ e isto sem falar pesada carga tributária, nos obrigatoriedade de manter os frentistas na pista pois o autoserviço é proibido por lei e nas fiscalizações de toda a ordem por parte da ANP, IPEM, IBAMA,SEFAZ,Bombeiros entre outros órgãos fiscalizadores que se especializaram em multar postos revendedores.

Como se não bastassem o risco que estão correndo com a iminente Verticalização do Setor e a quase certa aprovação da venda direta do etanol das usinas para o posto o que poderá gerar um enorme sonegação caso a monofasia tributária não seja aprovada de forma adequada agora o setor terá que enfrentar mais um novo tipo de concorrência?

Veja como funciona este modelo de negócios nos Estados Unidos : Gasolina delivery: quando o posto de combustível vai até o seu carro

Tem gente que está pagando para não precisar levar o carro até o posto e, em vez disso, ter a gasolina colocada no tanque na garagem de casa. E o serviço está ficando cada vez mais popular nos EUA — diversas empresas e startups chegaram oferecendo esta comodidade. São companhias como WeFuel, Filld, Purple e Booster Fuels, que sempre operam da mesma maneira.

Escolhida a empresa, você normalmente cria uma conta e instala no smartphone um aplicativo, que será utilizado para solicitar o serviço. Algumas empresas exigem que você faça o chamado com pelo menos uma hora de antecedência, enquanto outras, como a Yoshi, funcionam como qualquer outro delivery: se ficar sem combustível, você só precisa chamá-los e, dentro de alguns minutos, a gasolina chega na porta da sua casa. É possível, ainda, contratar o serviço de forma periódica e ter seu carro abastecido em casa uma vez por semana.

O combustível é armazenado em caminhões tanque, ou mesmo picapes — na maioria das vezes, equipados com extintores de incêndio, produtos de limpeza e segurança (para dar conta de possíveis vazamentos), e o agente vai munido de uma impressora portátil para imprimir a fatura e a nota. O preço do combustível costuma ser menor do que o praticado no posto, e a taxa de deslocamento é de, em média, US$ 5 (pouco menos de R$ 18).

Até aí, tudo bem. No entanto, há quem acredite que o aumento de caminhões cheios de líquido inflamável nas ruas pode trazer riscos desnecessários. Ainda que muitos americanos já tenham abraçado a ideia, algumas organizações, como o Corpo de Bombeiros de São Francisco, alertam que transportar combustível em caminhões sem ter uma autorização específica para isto é ilegal na maioria das cidades e extremamente perigoso. No entanto, há quem defenda a possibilidade de regulamentar o serviço a fim de estabelecer restrições, porém na legalidade.

De qualquer forma, as empresas continuam investindo. A Booster Fuels já tem caminhões de quase 4.000 litros de capacidade, enquanto a Purple já acumula uma frota de mais de 80 veículos em Seattle, Washington.

Mas afinal que está por trás deste projeto GOfit ? Segundo o jornalista Lauro Jardim em outra publicação no seu Blog do mesmo veículo de comunicação, Ricardo Magro é o controlador da Refit/Manguinhos, voltou a comandar o dia a dia dos seus negócios. Magro tem operado diretamente de Miami, onde mora já há alguns anos.

Sempre enrolado com questões tributárias, Magro agora confia que poderá renegociar suas bilionárias dívidas com o Estado do Rio de Janeiro, de cerca de R$ 2,5 bilhões.

Avalia que com Wilson Witzel no governo teria ficado mais fácil conversar. Contratou o escritório de Marcos Joaquim Alves para tentar operar o milagre.Também contratou o escritório de Fabio Medina Osório para cuidar dos seus rolos tributários e de uma ação bilionária contra a Petrobras que será julgada pelo STJ.

Só para lembrar a Refinaria de Manguinhos é aquela  cujo dez executivos viraram réus em processo criminal, acusados de fraudar por cerca de 40 vezes a fiscalização tributária do Rio de Janeiro apropriando-se indevidamente do imposto que deveria recolher para outros agentes do setor de combustíveis, as distribuidoras e os postos de gasolina.

E você revendedor ou profissional que trabalha neste segmento. O que você acha disso ? Deixe seu comentário. 

Fonte de consulta : https://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/vem-ai-o-delivery-de-gasolina.html

20 COMENTÁRIOS

  1. Com esse modelo de delivery, os grandes postos de combustiveis vão ficar loucos e vão cair em cima do governo.
    Seria uma boa esse modelo aqui no brasil.

  2. Devemos sim: criar nossa aplicativo para venda em domicílio.
    Melhor que tentar combater o que poderá vir a ser uma realidade definitiva em futuro próximo; é nosso sindicato criarem imediatamente um aplicativo para abrir concorrência nos mesmos modelos de atendimento ao cliente praticado pelo Gofit antes que seja tardio e consequentemente muito prejudicial.

  3. Já estou me preparando temos posto de gasolina em Montes Claros MG já estou vendo orçamento para equipar 5 VW 6.160 quero ser o primeiro a lançar no norte de minas pois temos muitas cidades se postos de depende de galões

  4. Tambem ja tive esta ideia mas esbarrei na burocracia brasileira, temos que sair das maos dos postos e das distribuidoras que ganham milhoes por mes, quando esta ideia estiver valendo me fale que vou entrar de cabeça. Nesta ideia precisamos pensar mais auto .

  5. Bom! Quando foi perda para os taxistas, todos apoiaram o Uber, que não paga impostos como os taxistas, mas, afinal, a população queria um serviço mais barato. Agora, outra classe terá sua permanência no mercado ameaçada, que é a dos frentistas. Só que também os empresários, donos de postos e redes terão prejuízos. A verdade é que os aplicativos vão acabar com vários tipos de emprego e serviços.

  6. A modernidade está invadindo cada vez mais o nosso mundo, porém não vejo como nós revendedores vamos acompanhar toda essa mudança. Acho bastante prejudicial porém inevitável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here