Enquanto a maioria da população está em quarentena, os caminhoneiros e profissionais do setor de carga continuam sua rotina normalmente exercendo função fundamental para o país.

Afinal, é por meio do seu trabalho que a grande maioria das mercadorias é transportada e todo o alimento que chega à mesa dos brasileiros conta com o esforço de um desses profissionais. 

A rotina da categoria é estar longe de casa por vários dias seguidos, passando, muitas vezes, por diversas cidades. Por isso, é de extrema importância garantir que eles tenham acesso facilitado à vacinação em qualquer município em que estiverem. 

Idealizada pelo Damas de Ferro, movimento nacional que representa esposas e filhos de caminhoneiros, foi criada a campanha de mobilização “Vacina Caminhoneiro”, que visa conscientizar os políticos e a sociedade da importância de vacinar esses profissionais contra à Covid-19 o mais rápido possível. 

Para uma quantidade considerável e subnotificada de caminhoneiros, a chegada do novo coronavírus representou a perda da própria vida. “Não existe estatística, para a morte especificamente, dos caminhoneiros. Eles estão englobados no número geral de mortos. Porém, o número é altíssimo.  E isso ficou mais evidente durante o início da campanha com o pedido de fotos de caminhoneiros e caminhoneiras que faleceram devido à Covid-19”, lamenta Gisele Vaz, fundadora e presidente do Movimento Damas de Ferro.

Nesse momento, a categoria reivindica, em caráter de urgência e prioridade, a votação dos destaques do Projeto de Lei 1011/2020, pela Câmara dos Deputados, para que seja encaminhada rapidamente para aprovação no Senado. 

“Essa lei assegura que caminhoneiros autônomos e profissionais do setor de transporte de cargas tenham prioridade no acesso à vacinação da Covid-19 e que os pontos de vacinação sejam em locais acessíveis aos caminhoneiros. Postos de vacinação dentro da cidade, não são acessíveis a eles”, pontua Gisele Vaz.

Esses trabalhadores são essenciais e movimentam, diariamente, o país nas estradas garantindo que as vacinas e outros produtos cheguem para toda a população.

Empresas que queiram divulgar e apoiar a campanha “Vacina Caminhoneiro” devem entrar em contato com Gisele Vaz, através do número (51) 9 9740.6867.

Sobre o Damas de Ferro

O Damas de Ferro foi fundado em setembro de 2017 por Gisele Vaz, esposa de caminhoneiro que vive em seu dia a dia a essência e as dores da profissão. É um portal para dar voz a grande parte da categoria. Gisele é reconhecida em todo Brasil por suas reivindicações para a classe caminhoneira e suas cristais, perante empresas e o Estado, para que estes cumpram de maneira adequada a legislação vigente e proporcione à categoria as mínimas condições de trabalho.

Gisele conta que o objetivo maior do projeto é trazer dignidade aos transportadores de cargas, que por muitas vezes são menosprezados e discriminados pela profissão que exercem dentro das grandes empresas.

Diversas vezes estes profissionais e suas famílias são expostos a situações de constrangimento e desonra, ferindo o princípio pétreo da Constituição Federal elencado no artigo 1º inciso III, que prevê a dignidade da pessoa humana e a lei 13.103 que dispõe sobre o exercício da profissão de motorista.

O trabalho de denúncias é realizado através de mídias sociais, tendo como força a utilização do nome da pessoa física “Gisele Vaz”, que possui renome nacional, alta credibilidade, com auto padrão de engajamento de seus interlocutores. Todo esse respeito é consequência de um trabalho sério, que possui como finalidade exclusiva ajudar a classe, já que atualmente 60% de tudo que o país produz e consome é transportado por caminhões nas rodovias.

Inúmeros caminhoneiros de todo o Brasil entram em contato com “Gisele”, com o intuito de gerar denúncias com relação ao descumprimento da legislação. Tais denúncias após analisadas são levadas a público, acarretando mobilização, comoção e movimento nacional, afim de que as empresas denunciadas tomem as devidas providências para sanar o erro ou a pendência em sua estrutura e atitude perante os caminhoneiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here