Desde julho/17 quando foi implementada a política de preços pela Petrobras, o grande desafio do mercado tem sido prever os movimentos da estatal, e se beneficiar disso.

Sabemos que as cotações do petróleo, as variações do câmbio são pilares fundamentais para a aplicação dos reajustes dos combustíveis no Brasil, mas a verdade é que verificar apenas se o barril do petróleo subiu ou se o câmbio caiu não é sinônimo de que a gasolina ou diesel será reajustado nas refinarias do Brasil. É preciso entender a paridade de preços de comercialização dos combustíveis entre o mercado nacional x internacional.

A paridade é justamente saber quanto custa nas refinarias os combustíveis e quanto que está custando no mercado (atacado) internacional, e por que isso é importante?

Isso é importante, porque a política de preços da Petrobras surgiu dentro de um cenário de intensas importações de combustíveis, onde o mercado foi inundado principalmente por Óleo Diesel S-10 importado a um custo extremamente mais baixo do que se adquirido das refinarias no Brasil. Essa situação fortaleceu e fortificou um mercado até antes desconhecido, a importação de combustíveis e acredite as distribuidoras de combustíveis criaram até tradings dentro de suas estruturas em virtude da grande viabilidade que é importar combustíveis.

A importação de combustíveis fez com que o resultado operacional principalmente das grandes distribuidoras fosse excelente sobretudo nos anos de 2017 e 2018, pois os ganhos em R$/L da importação de combustíveis se tornou margem para estas empresas, e nunca são trabalhados no preço de comercialização para o mercado (Varejo e Empresarial) Nacional.

Mas, com a evolução da política de preços da Petrobras, a ociosidade de suas refinarias e a restruturação governamental, a estatal entendeu que o melhor é manter a diferença do seu preço em relação ao mercado a menor possível, ou seja, próximo a R$ 0,00/L

Dentro desta lógica, se torna possível prever quando a estatal tende a aplicar reajustes, seja para aumento ou redução e este é um dos trabalhos que desenvolvemos na Valêncio Consultoria em Combustíveis.

Veja a seguir um exemplo do nosso relatório de tendência de reajuste:

Paridade e Tendência de Reajuste (Gasolina | DIesel)

Nossos clientes possuem condição de na iminência de uma aplicação de aumento na gasolina por exemplo, manter seus estoques cheios e se beneficiar quando o anúncio de aumento realmente for divulgado pela Petrobras, e o mesmo acontece no diesel.

Já imaginou o quanto você pode economizar com a previsibilidade dos reajustes da gasolina e do diesel?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here