O combustível é elemento essencial para manter em funcionamento um posto de abastecimento. 

Portanto, é importante saber a disponibilidade do tanque de combustível e qual a sua real dimensão.

A necessidade cresce de acordo com o volume de vendas comercializado e com o capital de giro disponível para manter a saúde financeira do negócio. Ou seja, a compra de combustível deve garantir que nunca falte o produto para a venda e que o volume comprado não comprometa o fluxo monetário do revendedor.

Dessa forma, a única maneira de controlar os estoques é através da medição precisa do tanque de combustível.

Medição de tanques e sensoriamento ambiental – xpert

No agronegócio, grandes empresas, postos de combustíveis, o controle do nível do tanque é fundamental para controle de estoque e prevenir que ele acabe e impeça a realização das atividades necessárias. Além disso, medir o tanque possibilita identificar possíveis vazamentos, o que pode gerar contaminação ambiental e perda de produtos (que leva a prejuízos). Assim, se garante maior eficiência operacional ao empreendimento.

E por que fazer essa medição se o volume armazenado geralmente está registrado no posto ou tanque? Por conta de problemas relacionados a evaporação ou vazamento, falhas nas anotações no LMC (Livro de Movimentação de Combustíveis) ou DANFES (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica), variação de temperatura, etc.

Para explicar melhor sobre essa questão, preparamos este artigo. Continue lendo e confira!

Por que é importante medir o tanque de combustível?

A ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis estabelece que a variação máxima em um tanque não deve ultrapassar 0,6%.

Acima desse percentual, há risco de que o Sistema de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC) esteja com ponto de vazamento, o que pode levar à contaminação do solo e do lençol freático, gerando inestimáveis prejuízos na esfera ambiental.

Caso isso realmente aconteça, a descontaminação é cara e demorada, além de comprometer o funcionamento do posto, uma vez que as bombas precisarão ser interditadas por tempo indeterminado, até que o problema possa ser solucionado.

Em certas situações, o posto pode ser fechado pelo órgão ambiental local, o que depende da gravidade do vazamento. O prejuízo, para estes casos, se estende além da perda do combustível. Todavia, é necessário compreender que, além de perdas de vazamento, existem outros motivos que levam a diferenças entre o volume do tanque e os registros de recebimento de produto, tais como:

1️⃣ Aparelhos de medição descalibrados;

2️⃣  Bombas de abastecimentos descalibradas;

3️⃣ Presença de água no tanque — com atenção maior aos tanques de diesel, uma vez que o biodiesel adicionado ao combustível fóssil é uma sustância higroscópica, isto é, com alta capacidade de absorver água do ambiente. Isso pode acarretar problemas como borras e entupimento de filtros, além de danos ao medidor;

4️⃣ Evaporação;

5️⃣ Temperatura na hora da descarga do produto no tanque (mudança de temperatura eleva ou reduz o nível de gasolina em um tanque. Para cada 1.000 litros, 1ºC a mais ou a menos gera um aumento ou redução em torno de 1 litro de combustível).

Assim, é sempre importante recordar que a revenda de combustível é considerada uma atividade com potencial altamente poluidor. Portanto, o posto deve respeitar uma série de exigências estabelecidas pela legislação municipal, estadual e nacional.

Como fazer o monitoramento do tanque?

O controle efetivo do estoque de combustível é fundamental para o empreendimento.

Isso evita a perda de produto, contaminação ambiental e risco de interdição do posto ou empreendimento que contenha tanque, fazendo com que todas as normas sejam cumpridas, incluindo as ambientais.

Antigamente, o uso de réguas de mensuração era comum, mas atualmente, existem outros equipamentos capazes de fazer a aferição dos tanques de combustíveis, armazenando os dados em sistema e comparado aos registros de entrada e saída do combustível. Assim, a gestão pode ser feita de forma real e remota. Todavia, é importante conhecer os métodos tradicionais, que falaremos de forma mais profunda posteriormente.

Além de detectar perdas, o monitoramento possibilita atualizações de inventário, registro de emissão de vapores (caso não existam um sistema de recuperação de vapores), alarmes em caso de inconsistência entre informações registradas e o volume efetivo do tanque, entre outras funções.

Medir o tanque de combustível é fundamental para melhorar o desempenho do posto ou empresa revendedora de combustível, uma vez que este mercado é altamente competitivo e toda ação para aumentar a qualidade e redução de desperdício prova enorme diferença no resultado final.

Além disso, é essencial garantir qualidade do produto fornecido ao consumidor final.

Por essa questão, todos os procedimentos de manutenção preventiva devem ser seguidos com disciplina, evitando a contaminação e outros problemas com os combustíveis.

Ao receber o combustível da distribuidora, é importante realizar os testes indicados pela ANP, sempre armazenando a amostra-testemunha, que é a prova do resultado em caso de uma eventual desconformidade.

Como medir tanque de combustível: passo a passo simples

Em primeiro lugar, é importante que você saiba a capacidade máxima do tanque que está presente no posto ou na empresa. Essa informação deve ser indicada pelo fabricante. Sem essas informações, fica difícil fazer a contagem do volume disponível no tanque e até mesmo fazer a gestão correta do produto.

Após esse conhecimento prévio, deve-se pegar uma haste ou vareta, lisa e comprida — maior do que a altura do tanque —, uma caneta, uma régua, trena ou fita métrica. Em seguida, coloca-se a vareta dentro do tanque, encontrando-a no fundo do tanque. Deve-se marcar o topo do tanque e a parte útil da vareta, isto é, a parte da vareta que corresponde à altura do tanque.

O próximo passo é fazer a divisão da parte útil da vareta em 4 partes iguais. A parte total da parte útil da vareta representa o tanque cheio. O segundo risco, posterior à interseção entre a parte útil da vareta e a parte restante, representa 3/4 do tanque. A marcação seguinte, 1/2 do tanque, e a última marcação seguindo esta ordem, 1/4 do tanque.

Depois de fazer essas marcações, é hora de, efetivamente, fazer o uso da régua para aferição da quantidade de combustível disponível no tanque. A régua deve ser mergulhada no tanque até que encoste no seu fundo. Em seguida, retirar a régua e analisar onde ela ficou molhando, marcando o ponto máximo.  O fim desta marca representa o nível do produto.

Para saber a disponibilidade de combustível, é só fazer a divisão de acordo com a marcação do combustível na régua. Por exemplo, se há meio tanque disponível o volume máximo é de 10 mil litros de gasolina, então há ali 5 mil litros.

Vale destacar que nem sempre a régua estará marcada exatamente nas marcações feitas anteriormente. Ela pode estar entre a quarta e terceira marcação, por exemplo. Então pode ser feita uma nova separação entre as marcas, para que se tenha um resultado mais aproximado.

Todavia, vale destacar que o resultado é sempre estimado e não fielmente igual.

Ou seja, pode variar um pouco para mais ou para menos. Resultados muito precisos exigem uso de tecnologia mais avançada, que devem ser utilizadas de acordo com a demanda existente e renda gerada pelo posto ou empresa que lida com o combustível.

Medição automática

O uso de sistemas automáticos de abastecimento oferece informações muito precisas, o que tende a aumentar a garantia sobre o volume real do tanque e gerenciamento de todo o processo, evitando assim perdas de material.

O sistema realiza a medição automática da quantidade de combustível no tanque, seguindo a NR 9, norma que regulamenta a atividade. Com a automatização do processo, o abastecimento de veículos e equipamentos não precisa ser interrompido. Além disso, evita-se que o cálculo seja feito de forma equivocada devido a erro humano.

Os sistemas oferecem relatórios precisos, em tempo real, sobre o aumento e perda de combustível ao longo do tempo. Com isso, é criado um alerta sobre uma provável perda súbita de combustível no tanque, que indica o vazamento por conta de alguma obstrução nas paredes do tanque. Com o problema sendo identificado de forma precoce, evita-se danos maiores.

👉 Assista ao vídeo e descubra como a Academia Brasil Postos pode ajudar na sua capacitação e na equipe do posto e da loja de conveniência 👇

A importância de uma transportadora no processo

A transportadora de combustível não é responsável por fazer a medição no tanque de combustível, mas tem papel fundamental em todo o processo. É importante que o combustível seja de qualidade, isto é, que chegue no posto ou empresa com a mesma qualidade que apresentou quando foi disponibilizado na refinaria.

Além disso, ter contato com uma empresa com reputação no mercado é fundamental para que problemas em várias esferas não ocorram, como a oferta de combustível abaixo do valor contratado, combustível misturado com elementos inapropriados, entre outros.

Outro ponto importante sobre escolher uma transportadora de combustível adequada está no prazo. Já pensou em ficar sem combustível para abastecer as máquinas da sua indústria, condomínio ou mesmo sem abastecer o tanque do seu posto de combustível e ficar sem vender?

Para evitar isso, é importante contar com uma boa empresa de transporte, que consiga cumprir os prazos pré-estabelecidos.

Sendo assim, saber como medir o tanque é fundamental para o funcionamento de uma empresa, especialmente o posto de gasolina, pois o combustível é o material mais importante para o seu funcionamento. Atualmente, existem máquinas e computadores que fazem o cálculo automatizado, mas conhecer o método tradicional é importante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here